Saúde | 01/04/2016

Louveira intensifica ações preventivas contra o H1N1

Visa

Desde o início desta semana, a Secretaria de Saúde de Louveira desencadeou  ações preventivas contra a gripe A (H1N1). Mesmo não tendo nenhum caso confirmado na cidade, a Administração se antecipou diante dos casos registrados em outros municípios, e traçou um planejamento, com ações que visam orientar a população. Os trabalhos serão reforçados a partir do dia 30 de abril, quando terá início a Campanha Nacional de Vacinação, que se estenderá até o dia 20 de maio.

Casos que estavam sob suspeita da doença estão aguardando resultados laboratoriais. Por esta razão, a campanha em Louveira não será antecipada, como deverá acontecer em outras cidades que registraram a doença, inclusive com óbitos.

Uma das ações da Secretaria de Saúde aconteceu na manhã desta sexta-feira (1º). A Vigilância em Saúde esteve reunida com agentes educadores, como diretores e professores, com o objetivo de orientar quanto às medidas para evitar que o vírus se dissemine. Estão sendo distribuídos também folhetos pela cidade, com informações sobre as medidas preventivas, sintomas e tratamento.

 

Vacinação

A Campanha de Vacinação, que começará no dia 30, será para crianças entre 6 meses e menores de 5 anos de idade, idosos acima de 60 anos, gestantes, mulheres até o 45° dia após o parto, profissionais de saúde, portadores de doenças crônicas (cardíacas, respiratórias, renais, hepáticas, neurológicas, diabetes, imunossupressão, obesidade grau III e transplantados). Para vacinar-se basta procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa, com a carteirinha de vacinação. Os portadores de doenças crônicas devem apresentar uma receita com indicação médica para aplicação da vacina ou a receita com os medicamentos que fazem uso.

Segundo estudos, houve redução de doenças respiratórias, hospitalização de pacientes com doenças cardíacas, cerebrais-vasculares e mortes após a introdução da vacina no calendário. É importante esclarecer que a vacina não dá gripe. Alguns efeitos colaterais como febre e dor são parecidos com sintomas da doença. Mas a vacina não causa a doença, pois a vacina é composta de vírus inativado (ou seja, morto).

A Gripe é uma doença transmitida por vírus, através de gotículas eliminadas pela tosse e fala, ou a partir de contato com superfícies contaminadas pelo vírus e levadas pelas mãos aos olhos, nariz ou boca. Os principais sintomas são febre, dor no corpo, coriza, tosse e dor de garganta. Além da vacina, alguns hábitos são eficazes para conter a transmissão da doença, como lavar as mãos com água e sabão com frequência, cobrir o nariz e a boca ao tossir ou espirrar, e evitar ambientes fechados.

 

Endereços das Unidades Básicas de Saúde

 

  • US Drª Lucilene Mosca Melin (CSIII)

Rua Frederico Zanella, 375 – Vila Nova (Centro)

Fone (19) 3948-5300

Horário: 07 às 17 horas

 

  • US Antônio Carlos dos Santos (PAS)

Rua Antônio Chicalhone, 193 – Santo Antônio

Fone (19) 3848-1062/ (19) 3848-1158/ (19) 3848-1201

Horário: 07 às 17 horas

 

  • US Burck

Rua Martinho de Ludres, 700 – Residencial Burck

Fone (19) 3878-0411

Horário: 07 às 17 horas

 

  • US Gilberto Ajjar (Monterrey)

Av. Gualicho, 1.185 – Monterrey

Fone (19) 3878-5236

Horário: 07 às 16 horas

 

Saiba mais:

            A gripe é uma infecção aguda das vias respiratórias causada pelo vírus Influenza. Ela pode ocorrer durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses do outono e do inverno, quando as temperaturas estão mais baixas.

Em 2009, foi introduzida uma nova cepa com alta capacidade de transmissão entre humanos, o H1N1, que resultou em um aumento significativo da gravidade e da mortalidade relacionadas a essa infecção. Desde então, o H1N1 permanece em circulação no ambiente, juntamente com outros vírus, mantendo-se como causas frequentes de infecções respiratórias agudas.

A infecção pelo vírus Influenza é caracterizada pela presença de febre de início repentino, acompanhada de tosse ou dor de garganta, além de outros sintomas como dor de cabeça, dor no corpo, dor nas articulações, perda de apetite, cansaço, mal-estar, coriza ou rouquidão. Sintomas como falta de ar, queda da pressão arterial e alteração do nível de consciência podem representar agravamento do quadro.

As complicações são mais frequentes nas populações de risco, como crianças menores de dois anos de idade, idosos, gestantes e puérperas, além dos portadores de doenças crônicas. Por esse motivo, esses grupos têm indicação de receber a vacina contra a Influenza durante a Campanha, anualmente.

A transmissão ocorre de pessoa a pessoa por meio de tosse e espirro ou através do contato com secreções respiratórias e superfícies contaminadas. O tratamento é baseado no alívio dos sintomas, na hidratação, em medidas de suporte para os casos graves e no uso do antiviral.

Medidas de prevenção:

 

  •   Lavagem das mãos com água e sabão ou álcool gel, principalmente após tossir, espirrar e antes de consumir algum alimento;
  •   Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  •   Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  •   Evitar tocar olhos, nariz e boca;
  •   Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  •   Manter os ambientes bem ventilados e evitar aglomerações e ambientes fechados;
  •   Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;
  •   Evitar sair de casa se estiver com sintomas de gripe (exceção quando da necessidade de assistência a saúde);
  •   Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Deve-se procurar o médico ou unidade de saúde mais próxima no caso de febre acompanhada de tosse ou dor de garganta, e pelo menos um dos seguintes sintomas: dor de cabeça ou dor no corpo. Não é recomendada a utilização de medicações sem orientação médica.